Arquivo da tag: YCI

AR – 3a. etapa da XVIII Circuito Ilhabela – Copa Suzuki – 25, 26 de agosto e 1, 2 de setembro/ 2018

O YCI convida os velejadores de oceano das classes IRC, C30, HPE-25, BRA-RGS, CLASSICOS e BICO de PROA para participarem da 3ª Etapa do XVIII CIRCUITO ILHABELA COPA SUZUKI 2018 E 2ª ETAPA CAMPEONATO PAULISTA DE VELA OCEÂNICA, com organização e realização do Yacht Club de  Ilhabela, com o patrocínio máster da SUZUKI VEICULOS – Apoios da Prefeitura Municipal de Ilhabela, Revista Ancoradouro, Radio Antena 1, Balaio de Ideias, Quantum Sails, North Sails. Continuar lendo AR – 3a. etapa da XVIII Circuito Ilhabela – Copa Suzuki – 25, 26 de agosto e 1, 2 de setembro/ 2018

Semana de Vela de Ilhabela premia vencedores das tradicionais regatas de abertura

Cerimônia de premiação será na Race Village a partir de 20h

A cerimônia de premiação dos vencedores das regatas de abertura da 45ª Semana de Vela de Ilhabela será realizada nesta terça-feira (24), a partir de 20h, na Race Village, montada no centro histórico de Ilhabela. Continuar lendo Semana de Vela de Ilhabela premia vencedores das tradicionais regatas de abertura

Com barcos em evolução, classe C30 encerra temporada em Ilhabela

Barracuda no contravento (Aline Bassi / Balaio de Ideias)

Desempenho do tricampeão Caiçara motiva demais tripulações a elevar o nível na competitiva C30; Copa Suzuki acaba neste fim de semana (2 e 3)

São Paulo (SP) – Ilhabela encerra neste fim de semana, 2 e 3 de dezembro, seu tradicional circuito de vela oceânica, a Copa Suzuki, disputada desde março em quatro etapas. O barco Caiçara, tricampeão antecipado, tornou-se especialista em velejar na Capital Nacional da Vela, devido à tripulação muito bem treinada e acostumada aos ventos e às correntes locais.

Duelo entre Barracuda e +Realizado (Aline Bassi / Balaio de Ideias)

 

Na abertura desta última etapa (25 e 26/11) o Caiçara venceu as três regatas, inclusive a desafiadora Volta à Ilha. O rendimento do Caiçara é um estímulo permanente para Caballo Loco, eCycle +Realizado, Barracuda e Kaikias, esforcem-se ainda mais em busca da evolução. Entre as competições que disputou neste ano, o Caiçara só não venceu o Campeonato Brasileiro, com vitória do Katana Portobello, de Florianópolis, seguido por Caballo Loco.

O título antecipado não acomoda os tricampeões. A tática permanece a mesma das etapas anteriores: correr para vencer. “O que tem nos ajudado nas manobras são os treinos das sextas-feiras, na véspera de cada regata. Precisamos acompanhar a evolução da classe. Queremos aproveitar este último fim de semana da Copa Suzuki para confirmarmos o brilhante trabalho desenvolvido na temporada”, destaca Carlos Ney Ribeiro, responsável pela ‘secretaria’ do Caiçara.

O velejador garante que o relacionamento a bordo faz a diferença na hora de competir, justificando a atitude do comandante Marcos de Oliveira Cesar, que sempre prioriza o investimento na tripulação. “A terceira vitória consecutiva em uma regata difícil e cheia de imprevistos como a Volta à Ilha, trouxe motivação. Mostrou que após três anos juntos, podemos considerar a tripulação do Caiçara como nossa segunda família”, afirma Carlos Ney.

Recursos materiais e humanos – A importância de uma equipe bem entrosada, é reforçada pelo comandante do Barracuda. “Neste ano, trocamos de tripulação três vezes durante o circuito, o que interfere no rendimento do barco. Incomoda saber que temos em Ilhabela uma flotilha com cinco barcos parelhos e às vezes não conseguimos o resultado esperado”, considera Humberto Diniz.

Caiçara (azul) e Caballo Loco (Aline Bassi / Balaio de Ideias)

Outro cuidado dos comandantes, além da tripulação, é com a fadiga dos equipamentos, que também prejudicam o desempenho da embarcação. “O Barracuda ainda corre com genoa (vela de proa) antiga e mesmo com esse enxoval estamos chegando junto com um segundo ou um terceiro lugar. As velas são o motor do barco. Quanto mais novas, mais velocidade”, define o timoneiro Diniz.

O vice-líder Caballo Loco e o eCycle +Realizado têm rivalizado com o Caiçara em algumas regatas. O comandante do Caballo Loco deseja fechar o ano em ascensão. “Só na última regata de domingo (26/11) conseguimos regular um pouco melhor o Caballo e andar próximo ao Caiçara. Esperamos que nesse fim de semana nossa performance melhore para conseguirmos melhores resultados na última etapa e na classificação final do campeonato”, projeta Mauro Dottori.

A classe C30 correu até o último fim de semana 29 regatas pela Copa Suzuki, com cinco descartes. Neste fim de semana estão previstas mais quatro ou cinco provas, conforme o vento. Além da C30, o Yacht Club Ilhabela deverá receber novamente mais de 30 barcos das demais classes: HPE 25, IRC, RGS e Bico de Proa. A festa de confraternização e a premiação da temporada movimentam as tripulações também fora da água.

A bordo do Caballo Loco (Aline Bassi / Balaio de Ideias)

Resultado parcial da C30 na 4ª Etapa

1 – Caiçara (Marcos de Oliveira Cesar): 1+1+1 = 3 pontos perdidos

2 – Caballo Loco (Mauro Dottori): 3+3+2 = 8 pp

3 – Barracuda (Humberto Diniz): 4+2+3 = 9 pp

4 – eCycle +Realizado (José Luiz Apud): 2+4+4 = 10 pp

 

Ary Pereira Jr – ary70jr@hotmail.com

MTb: 23.297 / (11) 9 9275-7044

Caiçara supera calmaria e vendaval para vencer em Ilhabela

Largada sempre apertada na C30 (Aline Bassi/Balaio)
Largada sempre apertada na C30 (Aline Bassi/Balaio)

Bicampeão antecipado do Circuito Ilhabela de vela oceânica na classe C30, Caiçara vence pelo segundo ano consecutivo a desafiadora Regata Volta à Ilha

Ilhabela (SP) – A temporada foi intensa, desgastante, com 36 regatas ao longo de nove meses. Os desafios da C30, classe mais equilibrada do Circuito Ilhabela de vela oceânica (Copa Suzuki), garantiram a emoção do campeonato. O Caiçara despontou apenas a partir da penúltima etapa, para conquistar com eficiência o bicampeonato da classe na Capital Nacional da Vela, com sede no Yacht Club de Ilhabela.

Neste fim de semana (3 e 4/12) o barco comandado por Marcos de Oliveira Cesar ainda viveu momentos dramáticos na Regata Volta à Ilha – Sir Peter Blake ao cruzar a linha de chagada 11 segundos à frente do implacável rival Caballo Loco, de Mauro Dottori. O Caiçara completou as 40 milhas (70 km) em 6h49m35. Após o Caballo Loco chegaram Kaikias e +Realizado eCycle. A diferença entre Caiçara e Caballo Loco para o fita azul (primeiro a chegar), Sessentão, conforme o próprio nome tem 60 pés, foi de apenas 12 minutos, o que reforça o nível elevado e a excelência da classe C30.

Bicampeão Caiçara (Aline Bassi/Balaio)
Bicampeão Caiçara (Aline Bassi/Balaio)

Grato pelo trabalho a bordo, o comandante bicampeão elogiou a tripulação após mais uma vitória, a 14ª do Caiçara na temporada. “A Regata Volta à Ilha foi mais um exemplo de esforço e dedicação de todos os tripulantes. Após a largada abrimos boa vantagem sobre os adversário e parecia que a situação estava sob controle, mas no final o Caballo Loco se aproximou, colocou pressão e chegamos apenas 11 segundos à frente deles depois de quase sete horas de competição. Uma regata sensacional para fechar o ano com entusiasmo”, comentou Marcos Cesar.

O vice-campeão Mauro Dottori vibrou com desempenho do Caballo Loco e dos demais barcos da classe C30. “O vento saiu do zero e no Bonete as rajadas devem ter chegado a 30 nós. Depois diminui e voltou a aumentar quando entrou o sudoeste. Foi muito bom, divertimo-nos durante toda a regata. Um encerramento digno para a temporada da C30, indefinida até a penúltima etapa. Esse equilíbrio é motivador”.

Match race na praia (Aline Bassi/Balaio)
Match race na praia (Aline Bassi/Balaio)

Ganhadores da medalha de bronze, os tripulantes do +Realizado eCycle também demonstraram entusiasmo com a evolução da classe. “O que importa é que completamos mais uma Volta à Ilha. Começamos bem, mas perdemos tempo ao nos enroscamos em um cabo preso a um bote na Ponta das Canas. Recuperamos e estávamos próximos dos barcos da frente até o través de Búzios, onde caímos em um buraco de vento. Valeu a diversão e contemplar a beleza da ilha. Na Ponta do Boi atingimos incríveis 19,3 nós (34 km/h).Essa regata não é fácil. Concluí-la já é uma vitória”, definiu o trimmer (regulador de velas) Ricardo Apud.

Kaikias no contravento (Aline Bassi/Balaio)
Kaikias no contravento (Aline Bassi/Balaio)

Classificação final da C30 no Circuito Ilhabela (34 regatas e seis descartes

  1. Caiçara (Marcos de Oliveira Cesar) – 47 pontos perdidos
  2. Caballo Loco (Mauro Dottori) – 61 pp
  3. + Realizado eCycle (José Luiz Apud) – 73 pp
  4. Kaikias Felipe Echenique – 96 pp
  5. Barracuda (Humberto Diniz) – 97 pp

 

Ary Pereira Jr – ary70jr@hotmail.com

MTb: 23.297 / (11) 9 9275-7044