Arquivo da tag: CBVela

VELA: Equipe brasileira disputa etapa de Hyères da Copa do Mundo de vela

Medalhista olímpica Fernanda Oliveira volta a competir no evento em que conquistou três medalhas no ciclo dos Jogos Rio 2016

O Brasil estará representado por uma delegação de 14 velejadores na etapa de Hyeres da Copa do Mundo da World Sailing (Federação Internacional de Vela), que será aberta neste domingo, dia 22. Continuar lendo VELA: Equipe brasileira disputa etapa de Hyères da Copa do Mundo de vela

Nomeado para a Comissão de Atletas da vela, Bruno Prada propõe mudanças no COB

Bruno Prada, o mais votado na Comissão de Atletas (Luhan Grolla / YCP)

Velejador do Yacht Club Paulista e demais eleitos foram nomeados em 1º de setembro, em meio às revelações contra o Comitê Olímpico Brasileiro

São Paulo (SP) – No momento em que o medalhista olímpico e tetracampeão mundial Bruno Prada é nomeado para a Comissão de Atletas da Confederação Brasileira de Vela, como um dos cinco velejadores eleitos, os detritos deixados pelos Jogos Rio 2016 vêm à tona com a Operação Unfair Play (jogo sujo), deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal após ação conjunta entre Brasil e França.

Prada com Scheidt na classe Star (Studio Borlenghi / SSL)

“A conta olímpica chegou. O legado dos Jogos não existiu e o esporte brasileiro vai andar 20 anos para trás” Assim reagiu Prada, o velejador mais votado pelos filiados à CBVela, diante de um escândalo que parecia eminente, envolvendo o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), seu presidente Carlos Arthur Nuzman e a aparentemente promíscua realização da Olimpíada do Rio de Janeiro.

“Estas primeiras denúncias são apenas sobre a candidatura. Imagine quando a investigação tomar o rumo das obras e prestação de serviços? Pode ser um momento importante para que nosso esporte venha a ter novos dirigentes e líderes que tragam novo formato de gestão como, por exemplo, a limitação de mandato”, deseja Prada, considerado um dos melhores proeiros do mundo na classe Star.

Ganhador de duas medalhas olímpicas (prata e bronze) ao lado de Robert Scheidt e tetracampeão mundial de Star, o atleta do Yacht Club Paulista (YCP) obteve 94 votos. Também foram eleitos: Isabel Swan (RJ/71), Samuel Albrecht (RS/67), Bruno Bethlem (RJ/62) e Bruno Fontes (SC/60). Votaram em cinco candidatos, 280 velejadores registrados em suas respectivas federações estaduais.

Prada na Star com o americano Augie Diaz (Marc Rouiller / SSL)

Voto direto e transparência – A Comissão de Atletas, com mandato válido até 31 de dezembro de 2020, foi nomeada em 1º de setembro, quatro dias antes de o esquema da candidatura olímpica brasileira ser revelado pela Polícia Federal. Os representantes poderão compor colegiados e integrar chapas para eleição aos cargos de direção. A CBVela se torna assim, a primeira entidade olímpica do País a ter o voto para eleição presidencial aberto aos atletas.

“Toda participação por voto direto é benéfica. A vela está criando o modelo que, enfim, atribui voz aos atletas, por enquanto restrito aos olímpicos, mas no futuro será importante incluirmos a vela jovem, de oceano, categoria máster. Tudo a seu tempo”, avalia Prada, acostumado a ser chamado de ‘presida’ (presidente) pelos colegas da vela, devido à sua natural liderança nas causas em favor dos atletas.

“O COB deveria ser o primeiro a seguir o exemplo da CBVela, abrindo suas eleições aos atletas. O voto indireto foi extinto no País há 30 anos. Não podemos permanecer com essa prática. Não existe nada mais nocivo ao esporte. É o voto direto que garante legitimidade na escolha e evita o perpetuamento no poder. O exemplo começa de cima”, sustenta o multivencedor da vela, Bruno Prada.

 

Ary Pereira Jr – ary70jr@hotmail.com

MTb: 23.297 / (11) 9 9275-7044

 

 

 

 

AR – 6ª Etapa do V Cirtuito Marreco 16

sbnews-20160906-01

1. REGRAS

1.1. A regata será regida pelas regras, tais como definidas nas Regras de Regata a Vela da ISAF – International Sailing Federation – 2013-2016, salvo o disposto no Regulamento do V Circuito Marreco de Vela 2016.

ar-6a-regata-v-circuito-marreco-de-vela-2016-rev1

2. DATA

2.1. 05/11/2016 – sábado

2.2. Será realizada apenas uma regata no dia.

3. O sinal de atenção será dado às 13h00min.

4. SEDE DO EVENTO

YACHT CLUB ITAUPU – Represa de Guarapiranga.

5. PROGRAMA DA REGATA

Horário previsto – Programação

12h00min – Reunião de Avisos Gerais

13h00min – Sinal de atenção

13h30min – Largada

Após a regata (17:30 h) – Confraternização / Premiação na sede do evento

É importante o comparecimento à Reunião de Avisos Gerais, no Clube Sede, para ciência do percurso, horários, etc.

A fim de evitar problemas com a programação, o horário da largada será observado com o máximo rigor possível: 13:30 h.

6. AREA DE REGATAS

6.1. Represa de Guarapiranga – Raia 3.

7. PERCURSO OU TRAJETO

7.1. A regata será em percurso.

7.2. Diagramas do percurso estão descritos no anexo A.

7.3. A Comissão de regatas poderá utilizar marcas de percurso como marcas de largada e chegada.

7.4. Todas as marcas devem ser deixadas por bombordo.

8. MARCAS

8.1. As marcas de percurso serão boias infláveis ou similares de forma cilíndrica.

9. BANDEIRA DE CLASSE MARRECO

9.1. A bandeira da classe será uma Bandeira LARANJA com o símbolo da Classe Marreco.

10. PARTIDA

10.1. A linha de partida será entre o mastro sobre a marca de partida (CR) e a marca de partida (bóia).

10.2. A regata terá início conforme os sinais abaixo indicados.

 5 Minutos antes da partida – Atenção – Bandeira da Classe – apito

 4 Minutos antes da partida – Bandeira Papa (azul c quadrado branco no meio) – apito

 1 Minuto antes da partida – Bandeira Papa removida – apito

 Partida – Bandeira da Classe Marreco removida – apito

11. CHEGADA

11.1. A linha de chegada será entre o mastro desfraldando bandeira da classe marreco (ou bandeira azul, a critério da juria) sobre a marca de chegada (CR), na extremidade de bombordo da linha, e a marca de chegada na extremidade de boreste (bóia), na linha posição a ser definida pela Juria.

12. LIMITE DE HORÁRIO

12.1. O limite de tempo para a chegada do último colocado é 17:00 hs

12.2. Serão considerados DNF, sem audiência, os barcos que não chegarem até o horário limite.

13. PRÊMIOS

13.1. Prêmios serão concedidos da seguinte forma:

1º ao 5º Lugar

13.2. Somente receberão prêmios os velejadores que estejam presentes à Cerimônia de Premiação a ser realizada após a regata, na Sede do Evento (YACHT CLUB ITAUPU).

14. ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE

14.1. Os competidores participam da regata a seu próprio risco. A Confederação Brasileira de Vela – CBVELA, a Federação de Vela do Estado de São Paulo (FEVESP), assim como as pessoas que compõem estas agremiações e autoridades, e todas as demais partes envolvidas na organização do evento, não poderão ser responsabilizadas e nem a elas poderá ser imputada qualquer obrigação por quaisquer acidentes (inclusive morte), danos, perda pessoal, de materiais ou de qualquer outra natureza, referente a barcos e participantes, e público que esteja acompanhando o evento em geral, antes, durante e depois do evento.

Geison Mendes e Gustavo Thiesen em preparação para Mundial de 470

Foto: Fred Hoffmann
Foto: Fred Hoffmann

Objetivo da dupla é manter o bom retrospecto visando a vaga na Olimpíada de 2016.

Com o objetivo de manter o bom retrospecto e mirando a vaga na Olimpíada para Rio 2016, a dupla de 470 masculino do Veleiros do Sul Geison Mendes e Gustavo Thiesen disputam entre os dias 10 e 17 de outubro o Campeonato Mundial da classe 470 em Haifa, Israel. A equipe, tricampeã Sul-americana da classe e dupla brasileira melhor colocada no ranking da Federação Internacional de Vela (ISAF) em 22º lugar, tem por objetivo manter o desempenho que vem obtendo em competições internacionais desde o início dos trabalhos da dupla — em 2012 — e sobretudo alcançar uma boa colocação na disputa, o que pode encurtar o caminho para a tão esperada vaga olímpica.

Conforme nota oficial da CBVela divulgada em 08 de agosto último, a tripulação brasileira que ficar entre os 15 primeiros colocados no Campeonato Mundial da Classe em Israel 2015 e se as demais tripulações brasileiras tiverem o dobro da colocação mais 1 do que a dupla melhor colocada, estará automaticamente classificada para representar o país nos Jogos Olímpicos Rio 2016. De olho nesta definição, Geison e Gustavo estão no Rio de Janeiro treinando na raia olímpica com duplas estrangeiras que já confirmaram participação nos Jogos.

 

 

______________________________________

Assessoria de Comunicação do Veleiros do Sul

Ane Meira Mancio

+55 51 3265 1733 ramal 5

comunicacao@vds.com.br

www.vds.com.br

Veleiros do Sul participa da Copa da Juventude em setembro

Na próxima semana, entre os dias 04 e 07 de setembro o Yacht Club Santo Amaro (YCSA) e a Confederação Brasileira de Vela (CBVela) realizam a Copa da Juventude 2015 em São Paulo.

Participam velejadores de até 19 anos nas classes Laser Radial (Masc. e Fem.), 420 (Masc. e Fem.), RS:X (Masc. e Fem.), Hobie Cat 16 (Aberto) e 29er (Masc. e Fem.). O evento será seletivo para a formação da Equipe Brasileira de Vela Jovem (EBVJ) que irá representar o Brasil no Campeonato Mundial da Juventude da ISAF na Malásia de 27 de dezembro de 2015 a 03 de janeiro de 2016. O Veleiros do Sul contará com três velejadores na competição.

Foto: Ane Meira Mancio/ Veleiros do Sul
Foto: Ane Meira Mancio/ Veleiros do Sul

Na classe Laser Radial, Marcelo Gallicchio corre a sua segunda Copa da Juventude aos 16 anos. “O campeonato ocorre na Represa Guarapiranga, uma raia complicada com ventos muito rondados. Vou ter só um dia para treinar lá, mas espero melhorar o meu desempenho em relação ao ano passado”, disse Marcelo.

No 420, o clube terá a estreia de Gabriel Lopes e Erik Hoffmann. Com novo timoneiro, o já experiente Erik forma nova equipe com o campeão sul-americano de Optimist em 2013 Gabriel Lopes que faz o seu ingresso na nova classe.

O técnico Juan Ignácio Sienra acompanha o trio na disputa. “Nosso objetivo é fazer com que esses velejadores sigam crescendo conforme o programado, preparando-os para os desafios como na Copa Brasil de Vela Jovem, em dezembro, onde esperamos ter uma participação mais numerosa”, afirma o head coach do Veleiros do Sul.

 

______________________________________

Assessoria de Comunicação do Veleiros do Sul

Ane Meira Mancio

+55 51 3265 1733 ramal 5

comunicacao@vds.com.br

www.vds.com.br

NZ, Austrália, Bélgica e Áustria são ouro na Finn, Nacra e Laser

A quinta-feira foi um dia de verão em pleno inverno no Rio de Janeiro. E a mistura de sol e vento foi o desfecho perfeito para as classes Laser Radial e Standard, Finn e Nacra 17 que estão no Iate Clube do Rio de Janeiro disputando a 28ª Semana Internacional de Vela.  Depois de quatro dias de competições os estrangeiros mostraram que estão bem preparados para a disputa dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 e venceram em todas as categorias.

Jorginho foi o melhor brasileiro na competição, em terceiro na Finn. Foto de Fred Hoffmann
Jorginho foi o melhor brasileiro na competição, em terceiro na Finn. Foto de Fred Hoffmann

Na classe Laser Radial, o campeão foi o australiano Tom Burton, número um do ranking da Federação Internacional (ISAF). Tom abriu três pontos de vantagem sobre o neozelandês Sam Meech, segundo colocado. Completa o pódio o também australiano Matt Wearn, segundo colocado no ranking mundial. O melhor brasileiro foi João Oliveira, na quinta colocação.

“As regatas foram bastante disputadas. Estou velejando bem e estou com a cabeça focada na maré e no vento. Então enquanto conseguir fazer isso, vou continuar velejando bem. Já estive aqui por três vezes e quanto mais venho, melhor é”, disse Tom.

Entre as meninas do Laser Radial, o pódio também foi 100% estrangeiro. A vitória ficou com a belga Evi Van Acker, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, seguida pela americana Erika Reinecke e pela sueca Josefin Olsson. Fernanda Decnop, que acabou de conquistar a medalha de bronze no Pan de Toronto, foi a melhor brasileira, na oitava colocação.

“Foi uma semana bastante difícil, com condições bastante desafiadoras e maré completamente maluca. Aprendi muito, o que é a coisa mais importante que levo desta semana. Fico feliz com o bom resultado e com a preparação para o Evento Teste”, disse Evi.

Na Finn, Jorginho Zarif, que já foi escalado pela Confederação Brasileira de Vela para mais uma vez representar o Brasil nos Jogos Olímpicos, mostrou que está bem preparado para a disputa do Evento Teste, próxima grande competição com foco em 2016, e encerrou a sua participação na terceira colocação, a apenas um ponto do segundo colocado, o holandês Peter Jan Postma. O vencedor foi o neozelandês Josh Junior, quinto colocado no ranking mundial.

“Foi muito bom, pude conhecer um pouco mais das raias e me acostumar um pouco mais com a maré e as rondadas de vento. Ainda teremos uma seletiva para as olimpíadas, mas é sempre bom vencer um campeonato, ainda mais no Rio”, disse Josh.

Na Nacra 17, única mista do programa olímpico, a briga esteve acirrada entre os estrangeiros, para ver quem ficava com o título, e entre os brasileiros, para ver quem seria a melhor dupla, uma vez que esta é uma das quatro classes que ainda não têm o representante brasileiro definido para os Jogos. No final o título ficou com o austríaco Thomas Zajac e sua parceira Tanja Frank. Juliana Mota e Leandro Azambuya foram os melhores brasileiros, na oitava colocação.

Nesta sexta-feira começam as regatas das classes RS:X masculina e feminina. Estão previstas nove regatas, sendo três por dia, com o descarte do pior resultado.

Para conferir os resultados completos, acesse www.sivrio.com.br.

A Semana Internacional de Vela do Rio de Janeiro tem a organização do Iate Clube do Rio de Janeiro e conta com o apoio da CBVela.

 

Confederação Brasileira de Vela 2013

Endereço: Praça Mahatma Gandhi, 02 – Grupo 1210 – Centro – Rio de Janeiro – RJ. CEP: 20031-100

Telefones: (+55 21) 2240-8919

E-mail: cbvela@cbvela.org.br / imprensa@cbvela.org.br

www.cbvela.org.br

Equipe Brasileira de Vela é definida para os Jogos Pan-Americanos de Toronto

Patricia-Freitas

A equipe brasileira de vela que vai disputar os Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, em julho, está definida. O grupo de atletas selecionados, entre novatos e veteranos, soma 32 medalhas na competição. Entre os destaques está Robert Scheidt, que volta à competição em busca de sua quinta medalha, sendo a quarta de ouro. Além dele, Claudio Biekarck, dono de oito medalhas, retorna para sua nona participação no Pan. Ele compete desde 1975 e conquistou a última medalha em Guadalajara, no México, em 2011: o bronze na classe Lightning.

Pela primeira vez como Coordenador Técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Torben Grael, dono de cinco medalhas olímpicas, vai acompanhar a equipe em Toronto com boas expectativas. “Esperamos um bom resultado. Acredito que temos condições de brigar por pódio em todas as classes, mas claro que não vai ser fácil. Depende muito do momento de cada velejador”, comentou. O treinador ainda acrescenta a importância dos Jogos Pan-Americanos no ciclo olímpico de 2016. “É uma etapa importante. No caso da Martine Grael e da Kahena Kunze, por exemplo, dá uma dimensão a elas do que é uma competição assim. Quando chegarem aos Jogos do Rio, já terão essa experiência”.

Com o mesmo número de medalhas olímpicas que o Coordenador Técnico, Robert Scheidt volta ao Pan após ficar fora da competição em Guadalajara. O velejador estreou na competição há 20 anos, em Mar Del Plata, na Argentina, em 1995, quando conquistou a primeira medalha de ouro na competição. “Tenho muito orgulho de voltar a representar o Brasil no Pan. Tenho ótimas memórias dos Jogos Pan-Americanos. Na minha última participação, em 2007, no Rio de Janeiro, não pude fazer uma boa preparação porque já estava em campanha olímpica na Star. Neste ano, porém, o foco é totalmente na Laser”, comenta o atleta, que emendará o Mundial da classe Laser, também no Canadá, com o Pan.

Entre os demais velejadores que compõem o time do Brasil na competição estão as estreantes Martine e Kahena, atuais campeãs mundiais na classe 49er FX, e o veterano Ricardo Winicki Santos, o Bimba, da classe RS:X, que pode conquistar o tetracampeonato pan-americano consecutivo. Ele venceu em 2003, 2007 e 2011.

Sobre a CBVela

A Confederação Brasileira de Vela (CBVela) é a representante oficial da vela esportiva do país nos âmbitos nacional e internacional. É filiada à Federação Internacional de Vela (Isaf) e ao Comitê Olímpico do Brasil (COB). Tem o Bradesco como patrocinador oficial, o Grupo BG Brasil como co-patrocinador e a Slam como fornecedora oficial. A vela é a modalidade com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do esporte do Brasil: seis. Ao todo, os velejadores brasileiros já conquistaram 17 medalhas em Jogos Olímpicos.
Atletas no Pan-americano de 2015:

Robert Scheidt
Classe: Laser Masculino
Nascimento: 15/04/1973
Medalhas em Pan: 3 ouros (1995, 1999, 2003) e 1 prata (2007)
Principais títulos: cinco medalhas olímpicas (dois ouros [1996 e 2004], duas pratas [2000 e 2008] e um bronze [2012])

Fernanda Decnop
Classe: Laser Feminino
Nascimento: 19/06/1987
Medalhas em Pan: ainda não possui

Ricardo Winicki
Classe: RS:X Masculino
Nascimento: 8/05/1980
Medalhas em Pan: 3 ouros (2003, 2007 e 2011) e 1 prata (1999)

Patrícia Freitas
Classe: RS:X Feminino
Nascimento: 10/03/1990
Medalhas em Pan: 1 ouro (2011)

Martine Grael
Classe: 49erFX
Nascimento: 12/02/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui

Kahena Kunze
Classe: 49erFX.
Nascimento: 12/03/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui.

João Augusto Hackerott
Classe: Sunfish Aberto
Nascimento: 12/04/1989
Medalhas em Pan: ainda não possui

Alexandre Paradeda
Classe: Snipe Aberto.
Nascimento: 24/11/1972.
Medalhas em Pan: 1 ouro (2007) e 1 prata (1999).

Lucas Huyer Aydos
Classe: Snipe Aberto
Nascimento: 24/06/1996
Medalhas em Pan: ainda não possui

Claudio Biekarck
Classe: Lightning Misto.
Nascimento: 16/05/1951
Medalhas em Pan: 1 ouro (1983), 3 pratas (1975, 1995 e 1999) e 4 bronzes (1987, 1991, 2007 e 2011)

Gunnar Ficker
Classe: Lightning Misto.
Nascimento: 26/11/1954.
Medalhas em Pan: 1 ouro (1983), 2 pratas (1999 e 1995) e três bronzes (1987, 1991, 2007, 2011).

Maria Hackerott
Classe: Lightning Misto
Nascimento: 3/04/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui

Claudio Luiz Teixeira
Classe: Hobie Cat 16 Aberto.
Nascimento: 19/04/1967
Medalhas em Pan: ainda não possui

Bruno Oliveira
Classe: Hobie Cat 16 Aberto
Nascimento: 4/04/1988
Medalhas em Pan: 1 prata (2011)

John King
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 16/02/1960
Medalhas em Pan: ainda não possui

Daniel Santiago
Classe: J24 Aberto.
Nascimento: 10/10/1978.
Medalhas em Pan: 2 ouros (2011 e 2007) 1 prata (2003).

Alexandre Saldanha
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 3/11/1970
Medalhas em Pan: 2 ouros (2011 e 2007)

Guilherme Hamelmann
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 9/03/1987
Medalhas em Pan: 1 ouro (2011)

Fonte: CBVela

Clínica de Gerenciamento de Regata / GPS – YCSA

clinica

Acontece no YCSA dias 01 e 02 de Maio.

Aprimore seus conhecimentos!!!
Esta clínica tem dois enfoques especiais:
# Balizamento de Marcas
# Auxiliar de Gerente de Regata
Ênfase do Ensino:
A Clínica tem como público alvo oficiais de regata nacionais, regionais e locais interessados em se especializar como Auxiliar de Gerentes de Regata (Bandeiras, Cronometragem, Sinalização, Resultados, etc.) ou como balizador de marcas (Fundeio de Marcas, GPS, Tabelas, etc.).
.
Taxa de Inscrição – Gratuita para sócios de Clubes filiados a FEVESP.
Idioma – A Clínica será ministrada em português.
INSTRUTORES
Cláudio Buckup (IRO / NU)
Daniel Fontana – “Jacaré” (NRO)
DATAS
01 e 02 Maio de 2015
01/05 – 10:00h às 19:00h
02/05 – 10:00h às 19:00h
Vagas Limitas: Inscreva-se!!!
Fonte: YCSA