Dongfeng Race Team convoca Damian Foxall para etapa brasileira

Damian Foxall, Helmsman/Trimmer, Groupama Sailing Team. Photographed at the finish of leg 7, in the Lisbon Race Village, during the Volvo Ocean Race 2011-12. (Credit: IAN ROMAN/Volvo Ocean Race)
Damian Foxall, Helmsman/Trimmer, Groupama Sailing Team. Photographed at the finish of leg 7, in the Lisbon Race Village, during the Volvo Ocean Race 2011-12. (Credit: IAN ROMAN/Volvo Ocean Race)

O irlandês Damian Foxall é um dos maiores nomes da vela oceânica mundial. O atleta, integrante da equipe campeã da temporada passada, foi escalado para ser tripulante do barco chinês Dongfeng Race Team na quinta etapa da Volvo Ocean Race, entre Auckland, na Nova Zelândia, e Itajaí, no Brasil. O velejador, que vai para sua quinta Volta ao Mundo, é tido como ídolo na cidade catarinense pelo seu carisma, atenção com o público local e, principalmente, pelo seu lado social em campanhas de educação e preservação ao meio ambiente. Ele se tornou muito querido por lá.

“Itajaí, eu tô voltando!”, falou o experiente Damian Foxall, que foi convocado justamente para a etapa mais difícil da regata, que terá a passagem pelos mares do Sul e o Cabo Horn antes de desembarcar no Brasil. Serão 6.776 milhas náuticas de aventura. “Estou muito contente por retornar ao evento e passar pelo Cabo Horn pela oitava vez na carreira. É o maior evento esportivo e todas as dificuldades tornam a regata especial, principalmente sua longa duração”.

Damian Foxall opens a Christmas present onboard Groupama Sailing Team during leg 2 of the Volvo Ocean Race 2011-12, from Cape Town, South Africa to Abu Dhabi, UAE.
Damian Foxall opens a Christmas present onboard Groupama Sailing Team during leg 2 of the Volvo Ocean Race 2011-12, from Cape Town, South Africa to Abu Dhabi, UAE.

Na edição anterior, ao lado do comandante Charles Caudrelier, Damian Foxall foi campeão a bordo do Groupama 4. No ano seguinte, o velejador voltou para cidade na disputa de outra competição oceânica, a Transat Jacques Vabre.

Na Volvo Ocean Race, o Dongfeng Race Team divide a liderança com o Abu Dhabi Ocean Racing. A equipe subiu ao pódio em todas as quatro etapas. “A estratégia de mudar peças nas pernas está dando certo e é importante para a equipe”, contou o irlandês, que substituirá o francês Thomas Rouxel. O navegador Pascal Bidégorry também volta ao barco vermelho. A tripulação do Dongfeng e a dos outros cinco veleiros serão anunciadas nos próximos dias. A perna larga para o Brasil em 15 de março.

Damian Foxall disputará sua quinta Volvo Ocean Race. As outras participações foram em 2001-02 (Tyco), 2005-06 (Ericsson)
, 2008-09 (Green Dragon) e 2011-12 (Groupama sailing team).

Fonte: Volvo Ocean Race

Dupla do Audi YCSA Sailing Team vence Paulista de 29er

Antonio e Alexander | Foto: Marco Del Porto / YCSA
Antonio e Alexander | Foto: Marco Del Porto / YCSA

Antonio Aranha e Alexander Essle conquistaram o título estadual neste domingo (8) na Represa Guarapiranga

São Paulo (SP) – Antonio Aranha e Alexander Essle conquistaram o título do 1º Campeonato Paulista da classe 29er encerrado neste domingo (8) na Represa Guarapiranga, com sede no Yacht Club Santo Amaro (YCSA). A dupla do Audi YCSA Sailing Team obteve dois primeiros e dois segundos lugares, nas regatas disputadas sábado e domingo com chuva forte e vento fraco. Gustavo Abdulklech e Richard Hilbert, do Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ) ficaram na segunda colocação, seguidos por Renê Hormazabal e Fábio Melcher, de Ilhabela e São Sebastião, respectivamente. Ambas as duplas venceram uma regata.

Os campeões | Foto: Marco Del Porto / YCSA
Os campeões | Foto: Marco Del Porto / YCSA

“Foi um campeonato muito difícil, com pouco vento e muita chuva. Além de fraco, o vento estava muito rondado, com algumas rajadinhas, uma característica da represa. Mas gostamos muito de velejar de 29er, será nossa prioridade até a Copa da Juventude em setembro, aqui mesmo na represa”, considerou Antonio após vencer a única regata de domingo. A Copa da Juventude classificará o campeão de cada classe ao Mundial da Juventude, em janeiro de 2016 na Malásia.

“É super legal velejar com mais barcos na raia. A classe está crescendo. Nosso próximo objetivo é o Brasileiro de 29er, valendo vaga para o Mundial da classe, em agosto no País de Gales. Não fomos os mais rápidos na raia, mas fomos os que cometeram menos erros. Foi muito divertido”, analisou Alexander, parceiro de Antonio. A dupla do YCSA havia vencido o Audi 29er Challenge no fim de 2014 na Guarapiranga.

O Campeonato Brasileiro será disputado de 18 a 21 de abril, com sede no próprio YCSA. O Paulista reuniu seis barcos e a expectativa para o Brasileiro é de no mínimo oito embarcações. Das oito regatas previstas, apenas quatro foram disputadas. O descarte do pior resultado seria adotado a partir da quinta largada. Duas provas seriam suficientes para validar o campeonato. “É um número interessante de barcos para uma classe ainda em formação no País. Está evoluindo”, afirmou Marco Del Porto, coordenador de Vela do YCSA e responsável pela 29er no Brasil.

Classe 29er na Guarapiranga | Foto: Gabriel Heusi / CBVela
Classe 29er na Guarapiranga | Foto: Gabriel Heusi / CBVela
Audi Challenge | Foto: Marco Del Porto / YCSA
Audi Challenge | Foto: Marco Del Porto / YCSA

Classificação do Paulista de 29er
1.Antonio Aranha / Alexander Essle (YCSA) – 6 pontos perdidos
2.Gustavo Abdulklech / Richard Hilbert (ICRJ) – 10 pp
3.Renê Hormazabal / Fábio Melcher (Ilhabela) – 10 pp
4.Lucas Cazale / Lucas Mirow (ICRJ) – 19 pp
5.Martin Lowy / Nicolas Garcis (YCSA) – 20 pp
6.Marina Bomeisel / Nicole Buck (YCSA) – 23 pp

Audi YCSA Sailing Team – Foi formado no início de 2014 com o objetivo de reforçar a missão de formar os futuros velejadores. O projeto abrange 40 atletas da Vela Jovem distribuídos entre as classes Optimist, 420, Laser, 29er e Byte. O apoio está voltado para a aquisição de barcos e velas, contratação de técnicos especialistas nas classes envolvidas e viabilização de viagens para intercâmbio e disputa das principais competições internacionais. Robert Scheidt, o maior atleta olímpico brasileiro em todos os tempos e ganhador de 14 títulos mundiais entre as classes Laser e Star, é o embaixador da marca no País.

Yacht Club Santo Amaro – Fundado em 1930, o YCSA consolidou-se ao longo de oito décadas como um celeiro de campeões da vela à margem da Represa de Guarapiranga, extremo sul de São Paulo. Conhecido também por Clube dos Alemães, devido à origem de seus fundadores, o YCSA sustenta como principal missão revelar os talentos para a vela brasileira. Campeões e medalhistas olímpicos, mundiais e pan-americanos como Robert Scheidt, Alex Welter, Cláudio Biekarck, Reinaldo Conrad, Peter Ficker, Gunar Ficker e Marcelo Batista elevaram o Brasil em suas conquistas nas principais competições mundiais.

Mais informações no site ycsa.com.br
Fanpage no Facebook: www.facebook.com/yachtclubsantoamaro

Ary Pereira Jr. – MTb 23297 / ary@zdl.com.br
Tel: 11 32855911 / Vivo: 9 7602-2986 / Tim: 9 9275-7044

Atrevida, fita azul de novo na St. Maarten Heineken Regatta

atrev_m

A schooner brasileira Atrevida é mais uma vez fita azul na St. Maarten Heineken Regatta. Formada em parte por associados do Veleiros do Sul, com o comandante Átila Bohm, Miguel Virgílio Petikovicz e André Gick, a tripulação do barco de 95 pés teve mais um grande dia em águas caribenhas.

“Mais uma fita azul para o Atrevida. Ficamos com o 4° lugar na regata e 4° no geral. Hoje teremos percurso para Marigot Bay e Anguila. Cerca de 20 milhas. Dia com belas condições, sol e vento de 15 a 22 knots. Hoje me senti no Caribe”, relata André Gick.

Fonte: Veleiros do Sul

Equipe Coringa conquista o título brasileiro de Soling de 2015

soling

Com uma boa média na pontuação, o barco Coringa tripulado por Lucas Ostergren, Carlos Alberto Trein e Roger Lamb venceu o 45º Campeonato Brasileiro da classe Soling que terminou neste domingo no Veleiros do Sul. Em segundo lugar ficou o Don’t Let Me Down, com Cícero Hartmann, Flávio Quevedo e André Renard. E em terceiro ficou o Bossa Nova/Água de Arcanjo, com Marcos Pinto Ribeiro, Frederico Sidou e Lúcio Pinto Ribeiro.

Este foi o primeiro título brasileiro da equipe Coringa, que compete há 14 anos na classe Soling. E foi o segundo para Lucas Ostergren que ganhou pela primeira vez em 2004. Desde então, Lucas velejava mais de Laser e assumiu o posto de timoneiro no Coringa na véspera do campeonato iniciar.
“Nós velejamos bem durante todo tempo , tivemos apenas uma regata ruim, mas isso é normal, não dá para acertar todas. Foi divertido porque o Trein e o Roger são ótimos companheiros e bons velejadores. Sem o entrosamento deles ficaria difícil chegar à vitória”, comentou Lucas, de 36 anos.

O Brasileiro de Soling teve seis regatas realizadas em três dias. Neste domingo a disputa pelo título ficou mais concentrada entre os barcos Coringa e Don’t Let Me Down e a diferença entre eles na classificação final foi de apenas um ponto. Uma situação normal em se tratando da flotilha de Soling, pois sua principal característica é o equilíbrio entre as tripulações nas competições.

Fato reconhecido pelo canadense tricampeão mundial e presidente da classe, Peter Hall, que correu em Porto Alegre com os gaúchos Marcus Silva e Régis Silva no barco Insano e terminou em quinto lugar. Na entrega de prêmios ele destacou o nível da flotilha brasileira que possui diversos velejadores entre os cinco melhores do mundo. Em 2014 ele foi campeão mundial e a equipe do Don’t Let Me Down foi vice, no Uruguai.

“Este campeonato é o primeiro grande evento de 2015 da classe que comemora 50 anos de fundação. Nós iremos publicar um livro e o Veleiros do Sul estará presente na obra por fazer parte da história do Soling”, disse Peter.

A outra participação estrangeira no Brasileiro foi uma tripulação alemã liderada por Michael Dietzel, vice-presidente mundial da classe, que contou com sua filha Anna e Hannes Ramoser a bordo.

“Esta foi a minha primeira vez que vim ao Brasil, a convite do Nelson Ilha. Gostamos tanto de velejar em Porto Alegre que já estamos nos programando voltar no ano que vem. É uma grande raia para o Soling, com condições maravilhosas, mas antes de tudo, o que a gente mais curtiu foram as pessoas. Isso porque o campeonato é feito pelos seus competidores e aqui temos grandes velejadores”, destacou o vice-presidente.

O 45º Campeonato Brasileiro de Soling teve a participação de 11 barcos e o apoio da Água de Arcanjo.

Fonte: Veleiros do Sul

Thiago e Erik encerraram a participação na Semana de Vela da Andaluzia

andaluzia

Thiago Ribas e Erik Hoffmann da classe 420 ficaram em 22º lugar na X Semana Olímpica Andaluza – Campeonato da Andaluzia de 420 de 2015 que terminou no último domingo (1º/03) em Cádiz, Espanha. A dupla do Veleiros do Sul teve dificuldades na raia devido ao vento muito rondado, com variação de direção de até 40º.

Fonte: Náutica Total

Foto: Divulgação / VDS

Kahena revela "ideia" de não velejar em 2016 como protesto contra Baía

Martine Grael e Kahena Kunze: despoluição da Baía de Guanabara como bandeira (Foto: André Durão)
Martine Grael e Kahena Kunze: despoluição da Baía de Guanabara como bandeira (Foto: André Durão)

Dupla campeã mundial da 49er FX segue descrente com meta do governo do Rio de Janeiro para tratar 80% do esgoto da Baía de Guanabara: “A gente sente vergonha”

Antes de começar a entrevista, Martine Grael abre o laptop e avisa: “Tenho uma coisa pra mostrar”. “Achou outra televisão no mar?”, pergunta o repórter, lembrando a imagem que rodou o mundo no início de 2014. Desta vez, a foto exibia o lixo boiando na saída do Rio Yacht Club, em Niterói, onde ela treina com a parceira campeã mundial da classe 49er FX, Kahena Kunze. Uma imagem que segue comum na Baía de Guanabara, um dos mais problemáticos locais de competição das Olimpíadas de 2016.

Faz tempo que a dupla é procurada pela imprensa para falar mais sobre poluição do que vela. Elas lideram o ranking mundial em uma classe disputadíssima e são apontadas como principais nomes do Brasil para os Jogos Olímpicos em um dos esportes que mais dá medalhas ao país. No último fim de semana, foram vice-campeãs de um torneio em Nova Zelândia e na próxima segunda-feira partem para Espanha, aonde vão atrás do bicampeonato do Trofeo Princesa Sofia.

O assunto mais recorrente, porém, continua sendo o palco olímpico da vela em 2016, cujo dossiê de candidatura prometia o tratamento de 80% do esgoto da região. O governo estadual, responsável pela missão, diz que o número passou de 11% para 49% e, apesar de o governador Luiz Fernando Pezão admitir que a meta não deverá ser cumprida até agosto do próximo ano, a promessa foi mantida junto ao Comitê Olímpico Internacional. Esta semana, os programas das ecobarreiras e dos ecobarcos foram suspensos e passarão por uma revisão. E Pezão anunciou o uso de satélite para orientar os ecobarcos na busca pelas áreas com mais lixo. A possibilidade de competir em meio à sujeira fez com que Kahena pensasse em tomar a atitude extrema de não competir:

– A vontade que dá é fazer uma manifestação durante a Olimpíada e dizer: “Não vamos velejar, vocês prometeram isso! Cadê?”. Porque é uma vergonha. Eu tenho nojo de entrar na água, imagine eles (os atletas estrangeiros). A gente não faz a manifestação porque sabe que não vai mudar nada.

Martine Grael e Kahena Kunze: preocupação com a raia olímpica de 2016 (Foto: André Durão)
Martine Grael e Kahena Kunze: preocupação com a raia olímpica de 2016 (Foto: André Durão)

Confira outros trechos da entrevista com Martine e Kahena:

Despoluição da Baía como bandeira

Martine: “Eu me sinto na obrigação de cobrar isso, como atleta, ambientalista, frequentadora deste clube e niteroiense. Tenho muita vontade de participar, se houver, de programas sociais. Fazer um mutirão para conscientizar a galera, levar para velejar e mostrar como é o mar. Temos que levar as pessoas ao problema. E todo mundo faz parte da solução. Não é só cobrar do governo e achar que a culpa é só dele”.

Martine Grael e Kahena Kunze velejam na raia da Escola Naval (Foto: Fred Hoffmann / Peccicom)
Martine Grael e Kahena Kunze velejam na raia da Escola Naval (Foto: Fred Hoffmann / Peccicom)

Descrença com o trabalho de despoluição do governo

Kahena: “Eu quero que eles peguem a gente e mostre. Assim como eu quero que o Nuzman (Carlos Arthur, presidente do Comitê Organizador do Rio 2016) venha velejar com a gente. Já o convidamos. Não sei o que eles querem com esses 80%. É durante os Jogos Olímpicos? Onde vão construir essa unidade de tratamento de esgoto? Do lado de uma favela que solta esgoto também? Todo mundo fala, fala, mas é mentira. Que nem toda a corrupção no Brasil. Eu não acredito em mais nada nesse país. A vontade que dá é morar fora do país a partir de 2016”.

Situação da água

Martine: “É muito difícil dizer se melhorou ou piorou. A gente continua observando lixo, proliferação de alga. Dizem que é por causa do aquecimento. Também. O esgoto na água também causa isso porque tem muito material orgânico. Há um plano de saneamento que envolve municípios em volta da Baía de Guanabara, mas em algumas cidades, como São Gonçalo e São João de Meriti, não há sequer coleta de lixo. Para mim todos os problemas do Brasil se resumem à educação. Não é só do favelado e do governador. É de todos”.

Martine "assiste" à televisão encontrada na água da Baia de Guanabara (Foto: Divulgação)
Martine “assiste” à televisão encontrada na água da Baia de Guanabara (Foto: Divulgação)

Curiosidade dos atletas estrangeiros

Kahena: “Eles perguntam para gente como está. A gente não tem o que responder. Porque a gente sente vergonha e diz que está cada vez pior. Eles perguntam: “Não tem como mudar a regata pra Búzios?”.

Uso de ecobarcos

Martine: “Ele não suja a água, mas polui que nem um carro. Gasta muita gasolina. Daqui até o Rio você gasta uns R$ 15 de gasolina. Imagina o quanto de gasolina um ecoboat consome, empurrando lixo o dia inteiro? Se estivesse solucionando o problema, tudo bem. Mas está só remediando”.

Fonte: Globo Esporte

2ª Etapa Circuito Santista de Vela | Instrução de Regata

home_semana48

2ª ETAPA CIRCUITO SANTISTA DE VELA OCEÂNICA
DIA 14/03/2015
INSTRUÇÃO DE REGATA DE VOLTA DA ILHA DAS CABRAS

Ficha de Inscrição

Organização: Clube Internacional de Regatas – CR Alexandre Martinho

Apoio: Iate Clube de Santos

Regras e Elegibilidade:

Conforme REGRAS de Regata a Vela (RRV) da ISAF 2013/2016, regras das classes, para os veleiros elegíveis com CERTIFICADO DE MEDIÇÃO 2015 e documentos exigidos pela Marinha do Brasil.

1. Classes convidadas

IRC, RGS, RGS CRUISER com certificado de medição válido 2015 e Veleiros de Oceano e Clássicos sem medição.

1.1 Regra para Veleiros de Oceano e Clássicos sem Medição: Será adotado TMFAA de veleiro equivalente com medição RGS e na falta deste e a critério da Comissão Técnica, será acrescido de 0,5%.

1.2 Regras para Classe BRA RGS CRUISER: A divisão especial BRA-RGS CRUISER, para veleiros que atendam rigorosamente as seguintes características:

• Possuam medição BRA-RGS válida 2015;
• Utilizem enrolador de genoa;
• Utilizem Genoa de enrolador obrigatoriamente com proteção UV na valuma, em material apropriado a este fim e diferente do material da genoa;
• Fica permitida apenas a utilização de uma genoa, com exceção da storm jib:
• Que as Velas sejam em DACRON ou PROLAN;
• Que tenham LOA maior ou igual a 23 pés e que sejam considerados de oceano;
• Que utilizem exclusivamente balão assimétrico;
• Que o Barco seja aceito e classificado como de cruzeiro pela Comissão Técnica Organizadora.

2. Programação

Dia 14/03/15 12h00mim: Início de Procedimento para todas as classes classes convidadas. Após a regata recepção aos velejadores com canoa de bebidas e lanche aos participantes do evento na Sede Náutica do Clube Internacional de Regatas.

3. Bandeiras de classe

IRC bandeira amarela G1. Bandeira das classes: RGS, CRUISER, de Oceano e Clássicos sem medição bandeira Delta azul/amarela. As largadas poderão ser também juntas, a critério da CR.

4. Percurso

Regata de Volta da Olha das Cabras por bombordo (Guarujá), o percurso poderá ser alterado, encurtado dependendo das condições de vento e de mar. Até 20 minutos antes do início de procedimento a CR confirmará pelo canal 73 o percurso a ser percorrido.

Após a largada, a marca a ser contornada será a Ilha da Moela deixando a mesma por bombordo ou boreste e a Ilha das Cabras a ser contornada exclusivamente por bombordo.

5. Linha de Largada

Nas proximidades da Ponta Grossa, verificado as condições atmosféricas reinantes, a CR informará o local exato onde será montada a linha de largada. Preferencialmente a largada se dará em contra vento, não sendo possível ficará a critério da CR.

A linha da largada se dará entre a bóia cilíndrica e a embarcação da CR com a devida bandeira sinalizada.

A CR poderá, assim que possível, emitir um comunicado geral por rádio, no canal 73, informando o numeral, ou nome, do(s) barco(s) registrado(s) como OCS ou BFD.

A Ordem de chamada, a falha no chamado de um ou mais barcos, ou falhas na transmissão ou recepção deste aviso não serão motivos para um pedido de reparação, sobre a regra 62.1(a) do RRV-ISAF/2013-2016.

6. Linha de Chegada

Nas proximidades da Ponta Grossa ou em caso de impossibilidade a mesma se dará próximo a Ilha das Palmas.

Em ambos os casos ou em qualquer outra adversidade a CR informará o local da chegada no Canal 73 e ou via DELTA 21.

A linha de chegada será entre o mastro desfraldando uma bandeira de cor azul sobre a marca de chegada na extremidade de boreste da linha e a marca de chegada na extremidade de bombordo do competidor.

Em caso de intempéries rigorosas, a critério da CR, ou de vento insuficiente, a regata poderá ser cancelada ou adiada para data a ser confirmada.

4. Comunicação Via Rádio

Os competidores deverão manter escuta por rádio enquanto estiverem em regata, observando os seguintes canais de rádio:

Canal de Rádio 73  – Canal oficial da regata e comunicação com a CR
Canais de Rádio 68/74  – Estação de Rádio DELTA 21
Canal de Rádio 77  – Comunicação entre barcos

Na hipótese de haver necessidade de alteração dos canais de rádio acima citados, os mesmos serão informados pela CR.

5. Limites de Tempo

Serão considerados DNS (barcos que não largão) os barcos que não cruzarem a linha de largada no prazo de 10 minutos após o tiro de largada. Serão considerados DNF os barcos que não cruzarem a linha da chegada até às 17h30min do dia 14/03/2015.

6. Protestos e Pedidos de Reparação

Formulários de protestos estarão disponíveis na Secretaria do Evento. O prazo de protestos será de 30 minutos após a chegada da CR em terra. O mesmo prazo de protestos se aplica a todos os protestos da Comissão de Regata, da Comissão de Protestos sobre incidentes que se observou na área de regata e para pedidos de reparação. Isto modifica as regras 61.3 e 62.2.

7. Responsabilidades

Os competidores que participarem deste evento o farão por seu próprio risco e sob sua única responsabilidade. A decisão de abandonar uma regata, por qualquer razão fica a cargo exclusivamente do comandante. Fica valendo a Regra 4 – Decisão de competir. O Clube Internacional de Regatas bem como os demais envolvidos na organização, apoio e/ou a Comissão Técnica e Organizadora e/ou a Comissão de Regatas não se responsabilizam por quaisquer danos materiais ou físicos ou mesmo de morte, relacionados diretamente a este evento.

8. Direitos de Mídia – Veiculação na Imprensa

Todos os competidores cedem à Autoridade Organizadora, o direito irrestrito e a autorização de uso dos seus nomes e das suas imagens para qualquer texto, fotografia ou vídeo tanto suas quanto de seus barcos inscritos, para serem divulgados em qualquer transmissão e/ou mídia (inclusa mas não limitada a anúncios na Imprensa e/ou na televisão e/ou na Internet), tanto para fins editoriais e/ou de propaganda e publicidade nos diversos modos de Imprensa. Neste aspecto, os nomes dos competidores e/ou seu material biográfico poderão, também, ser usados do mesmo modo ou de algum modo reproduzido em qualquer divulgação.

Complementa a presente instrução o 2º Aviso de Regata.

Estarão isentos do pagamento da taxa  de inscrição as embarcações que fizeram  e pagaram a inscrição na 1ª etapa a qual foi cancelada.

 

Desejamos a todos uma excelente regata!

Diretoria de Vela do Clube Internacional de Regatas

Fonte: ShowNautica

Presidente da ABVC participa de entrevista

tvcostanorte

O programa Sala de Imprensa, do dia 20 de Fevereiro de 2015, destacou o Cruzeiro Forte São João. Participaram do programa Sérgio Magri – apresentador, Pacifico Junior – secretário de Turismo de Bertioga, Mauro Orlandini – prefeito de Bertioga, Élcio Rogério Secomandi – coronel de Artilharia do Exército, e Volnys Bernal – presidente da ABVC (Associação Brasileira de Velejadores de Cruzeiro). Assista:

Fonte: ABVC

O Informativo do Velejador Brasileiro.