Todos os posts de Max Gorissen

Sailor and Editor SailBrasil.com.br, SailBrasil Magazine and SailBrasilNews.com

Scheidt cai para a terceira posição em dia difícil na Copa do Mundo em Miami

Scheidt, terceiro lugar na Copa do Mundo | Foto: Thom Touw
Scheidt, terceiro lugar na Copa do Mundo | Foto: Thom Touw

Bicampeão olímpico iniciou a fase final da competição com 27º e 17º lugares nas regatas desta quarta-feira (28)

São Paulo – O vento foi o protagonista no início da fase final da Copa do Mundo em Miami. Muito rondado, com variações de até 20 graus em poucos minutos, atrapalhou as estratégias dos velejadores mais técnicos e equilibrou a disputa. Após encerrar a etapa classificatória com um primeiro lugar, Robert Scheidt fez 27º e 17º nas regatas desta quarta-feira (28), e caiu para a terceira posição geral. Seis pontos atrás do australiano Matthew Wearn, novo líder da competição, segue na disputa pelo pódio.

“Infelizmente, não consegui ‘ler’ bem o vento e prever o que iria acontecer. A primeira prova foi a mais difícil, não tive um bom desempenho”, lamentou Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. “Fiz uma boa largada na segunda regata, mas as condições estavam desfavoráveis, com o vento variando demais e fui perdendo posições.”

Dia difícil em Miami | Foto: Thom Touw
Dia difícil em Miami | Foto: Thom Touw

Com as regatas do dia transformadas em autênticas loterias, os resultados desta quarta-feira acirraram ainda mais a briga pelo título da Copa do Mundo em Miami. O australiano Matthew Wearn também tropeçou na primeira regata, com um 20º lugar, está a apenas um ponto do vice-líder, o inglês Nick Thompson e, como Scheidt, não pode mais errar. Já o brasileiro, ainda com chances de alcançar o primeiro lugar, vê o alemão Philipp Buhl se aproximar, com apenas dois pontos a mais na classificação.

“Estou bem próximo dos líderes e com boas condições de brigar pelo primeiro lugar porque todo mundo errou. Mas teremos mais quatro regatas antes da prova final, e preciso aproveitar bem as chances nesses próximos dias, velejando o melhor possível”, destacou Scheidt, patrocinado por Banco do Brasil, Rolex, Deloitte e Audi, com os apoios de COB e CBVela. A etapa de Miami da Copa do Mundo termina no sábado (31) para a classe Laser, com os dez melhores velejadores em disputa pelo título na Medal Race, valendo pontos dobrados.

Classificação após sete regatas e um descarte

1. Matthew Wearn (AUS) – 22 pp (7+7+1+1+2+[20]+4)
2. Nick Thompson (GBR) – 23 pp (6+1+4+[10]+1+10+1)
3. Robert Scheidt (BRA) – 28 pp (2+4+2+2+1+[27]+17)
4. Philipp Buhl (GER) – 30 pp (7+2+11+4+4+2+[34])
5. Bruno Fontes (BRA) – 34 pp (1+3+[20]+6+15+7+2)
6. Julio Alsogaray (ARG) – 41 pp (5+19+2+5+7+3+[46])
7. Nicholas Heiner (NED) – 45 pp (3+5+8+7+15+[51]+7)
8. Pavlos Kontides (CYP) – 51 pp (1+15+17+3+6+9+[18])
9. Jean Baptiste Bernaz (FRA) – 51 pp (3+5+5+1+[36]+12+25)
10. Charlie Buckingham (USA) – 60 pp (13+12+6+[24+10+14+5])

Maior atleta olímpico brasileiro

Laser
Onze títulos mundiais – 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
Três medalhas olímpicas – ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
Três títulos mundiais – 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
Duas medalhas olímpicas – prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012

Mais informações em www.robertscheidt.com.br

Twitter: @robert_scheidt
Facebook: Robert Scheidt

Acompanhe também a LOCAL nas redes sociais:
Twitter: @localcomunica

Facebook: LocaldaComunicacao

Local da Comunicação – Juliana Leite (MTB 49.580)
E-mail: juliana@localcom.com.br
Tels: Juliana (11) 3263-0683 e (11) 98457-9704

Scheidt assume a liderança da Copa do Mundo de Vela em Miami

ISAF SAILING WORLD CUP MIAMI 2015 Robert Scheidt  BRA206755 Laser,	 Rio de Janeiro, Rio de Janeiro BRA
ISAF SAILING WORLD CUP MIAMI 2015
Robert Scheidt
BRA206755
Laser,
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro BRA

Maior atleta olímpico brasileiro vai para a fase final da competição com três pontos de vantagem sobre o vice-líder, Matthew Wearn

São Paulo – O multicampeão Robert Scheidt encerrou a fase classificatória da Copa do Mundo em Miami com os resultados mais consistentes da competição. Disputou cinco regatas sempre entre os cinco primeiros colocados. Nesta terça-feira (27), Scheidt venceu uma das provas, foi segundo e terceiro nas outras duas e assumiu a liderança na classe Laser, com três pontos de vantagem sobre o vice-líder, o australiano Matthew Wearn. Os cinquenta melhores velejadores serão reagrupados na flotilha ouro a partir desta quarta-feira (28), início da fase final, na disputa pelo título.

Depois da chuva na estreia, o segundo dia de disputas na raia de Biscayne Bay começou com céu claro e vento entre 12 e 15 nós, alcançando rajadas de 19 nós (35 km/h) no período da tarde. “Tive um desempenho parecido nas três regatas. Fiz boas largadas, montei a primeira boia entre os cinco primeiros e fui ganhando posições”, resumiu Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. “Consegui ‘ler’ bem o vento muito rondado e suas variações. Velejei rápido e de forma consistente.”

Com a regularidade na primeira etapa, Scheidt entra na fase final com vantagem sobre os adversários, uma vez que apenas o pior resultado será descartado e seus adversários trazem pontuação mais elevada da primeira fase. A flotilha ouro agrupará os cinquenta melhores velejadores da competição, tornando a disputa ainda mais acirrada a partir desta quarta-feira (28). “Preciso manter a velocidade para chegar à medal race com chances de medalha”, lembra o brasileiro, patrocinado por Banco do Brasil, Rolex, Deloitte e Audi, com os apoios de COB e CBVela. “A previsão é de ventos mais fracos e variáveis nos próximos dias, o que torna as regatas mais técnicas e estratégicas.”

Scheidt: consistência | Foto: Thom Touw
Scheidt: consistência | Foto: Thom Touw

Classificação após cinco regatas e um descarte

1. Robert Scheidt (BRA) – 8 pp (2+[4]+2+3+1)
2. Matthew Wearn (AUS) – 11 pp ([7]+7+1+1+2)
3. Nick Thompson (GBR) – 12 pp (6+1+4+[10]+1)
4. Jean Baptiste Bernaz (FRA) – 14 pp (3+5+5+1+[37])
5. Philipp Buhl (GER) – 18 pp (7+2+[11]+5+4)
6. Andy Maloney (NZL) – 19 pp (4+1+10+4+[18])
7. Julio Alsogaray (ARG) – 19 pp (5+[19]+2+5+7)
8. Nicholas Heiner (NED) – 24 pp (3+5+8+8+[15])
9. Pavlos Kontides (CYP) – 25 pp (1+15+[17]+3+6)
10. Bruno Fontes (BRA) – 25 pp (1+3+[20]+6+15)

Maior atleta olímpico brasileiro

Laser
Onze títulos mundiais – 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
Três medalhas olímpicas – ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
Três títulos mundiais – 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
Duas medalhas olímpicas – prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012

Mais informações em www.robertscheidt.com.br

Twitter: @robert_scheidt
Facebook: Robert Scheidt

Local da Comunicação – Juliana Leite (MTB 49.580)
E-mail: juliana@localcom.com.br
Tels: Juliana (11) 3263-0683 e (11) 98457-9704

Cruzeiro Volta da Ilha Grande

logo azul e amarelo

Estão abertas as inscricões para o novo cruzeiro da ABVC, o Volta da Ilha Grande, que irá acontecer de 14 a 21 de fevereiro. São apenas 12 vagas nesta primeira edição! Acesse nosso site: http://www.abvc.com.br/evento.asp?IdEv=86.

E fique atento, vem ai o Cruzeiro Forte São João, a velejada com enfoque histórico, inscrições muito em breve.

O Cruzeiro Volta da Ilha Grande (VIG), organizado pela Associação Brasileira de Velejadores de Cruzeiro (ABVC), através de sua VP Paraty, destina-se a proporcionar aos velejadores interessados conhecer, em especial, o litoral da Ilha Grande voltado para o mar aberto e suas lindas enseadas e praias:

  • Meros,
  • Aventureiro,
  • Parnaioca,
  • Dois Rios,
  • Jorge Greco.

Elas estão no roteiro e sua visitação depende exclusivamente da situação de mar e vento. Também estão na programação Palmas, Abraão, e Sítio Forte.

Programação:

14/02/2015 – encontro da flotilha na ilha da Cotia

15/02/2015 – saída em direção a Ilha Grande (pernoite em Araçatiba ou Meros)

16/02/2015 – praia do Aventureiro – pernoite em Parnaioca

17/02/2015 – ilha de Jorge Greco – pernoite em 2 Rios

18/02/2015 – Lopes Mendes – pernoite em Palmas

19/02/2015 – Abraão

20/02/2015 – lagoa azul – pernoite na Tapera

21/02/2015 – retorno a Paraty

OBS: O roteiro depende totalmente da meteorologia no momento do cruzeiro. O sentido da volta pode ser invertido e caso as condições forem totalmente inapropriadas o cruzeiro poderá ser restrito à parte interior da Baia de Ilha Grande ou até cancelado.

Vagas: 12 veleiros (nesta primeira versão)

OBS: Pelo menos um dos tripulantes deve ser mestre amador ou capitão amador.

Fonte: ABVC

Scheidt estreia em terceiro lugar na Copa do Mundo de Vela em Miami

Scheidt: disputa extrema em Miami | Foto: Fred Hoffmann
Scheidt: disputa extrema em Miami | Foto: Fred Hoffmann

Maior atleta olímpico brasileiro foi segundo e quarto colocado nas duas regatas desta segunda-feira, em Biscayne Bay

São Paulo – A chegada de uma tempestade à Flórida fez da estreia da Copa do Mundo de Vela em Miami um dia de disputas extremas, como definiu Robert Scheidt. O multicampeão foi segundo e quarto colocado nas duas regatas disputadas nesta segunda-feira (26) na raia de Biscayne Bay, sob chuva e ventos fortes. Em seu primeiro desafio em 2015, assumiu o terceiro lugar na classificação geral, com 6 pontos perdidos, atrás de Bruno Fontes, com quatro, e do neozelandês Andy Maloney, com cinco.

Scheidt iniciou a disputa velejando na flotilha azul da Laser, a classe mais numerosa, com 120 barcos, e contou com uma “ajuda” do compatriota Bruno Fontes na primeira regata. “Houve um momento, na segunda perna da prova, em que não dava para enxergar nada através da chuva, não consegui encontrar as marcas. Finalmente o Bruno viu um pouco de cor fora daquela massa cinza, eu fui com ele naquela direção, e nós dois tivemos um grande ganho”, conta o velejador, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star.

Apesar da trégua da chuva, no período da tarde, os ventos alcançaram rajadas de 30 nós (55 km/h), exigindo mais do físico dos competidores. “A segunda prova poderia ter sido melhor, não fiz uma disputa especial”, admite Scheidt, patrocinado por Banco do Brasil, Rolex, Deloitte e Audi, com os apoios de COB e CBVela. “Mas não era preciso. Foi uma boa média, estou contente com o segundo e o quarto lugar na estreia. Ainda tem muita coisa para acontecer.”

A competição em Biscayne Bay segue o formato dos eventos olímpicos, com onze regatas para a classe Laser, divididas entre as fases classificatória e final, e descarte do pior resultado. Os dez melhores velejadores disputam o título no sábado (31), na medal race, valendo pontos dobrados.

Scheidt: boa média na estreia Foto: Fred Hoffmann
Scheidt: boa média na estreia Foto: Fred Hoffmann


Classificação após duas regatas

1. Bruno Fontes (BRA) – 4 pontos perdidos (1+3)
2. Andy Maloney (NZL) – 5 pp (4+1)
3. Robert Scheidt (BRA) – 6 pp (2+4)
4. Nick Thompson (GBR) – 7 pp (6+1)
5. Jean Baptiste Bernaz – 8 pp (3+5)
6. Nicholas Heiner (NED) – 8 pp (3+5)
7. Philipp Buhl (GER) – 9 pp (7+2)
8. Juan Bisio (ARG) – 10 pp (6+4)
9. Alex Mills-Barton (GBR) – 12 pp (10+2)
10. Matthew Wearn (AUS) – 14 pp (7+7)

Maior atleta olímpico brasileiro

Laser
Onze títulos mundiais – 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
Três medalhas olímpicas – ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
Três títulos mundiais – 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
Duas medalhas olímpicas – prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012

Mais informações em www.robertscheidt.com.br

Twitter: @robert_scheidt
Facebook: Robert Scheidt

Local da Comunicação – Juliana Leite (MTB 49.580)
E-mail: juliana@localcom.com.br
Tels: Juliana (11) 3263-0683 e (11) 98457-9704

"Estamos melhorando", afirma brasileiro da Volvo Ocean Race

January 27, 2015. MAPFRE arrives in Sanya in fourth position, after 23 days of sailing.
January 27, 2015. MAPFRE arrives in Sanya in fourth position, after 23 days of sailing.

A terceira etapa da Volvo Ocean Race praticamente terminou nesta terça-feira (27) com mais quatro barcos cruzando a linha de chegada no porto de Sanya, na China. Um deles foi o MAPFRE, que acabou fora do pódio, na quarta colocação. Para o brasileiro André ‘Bochecha’ Fonseca, o time espanhol mostra evolução gradativa na disputa da Volta ao Mundo. “A equipe está mais forte e mais unida. Falta muito pouco para o MAPFRE brigar pelo pódio. Estamos melhorando”. Os resultados anteriores dos espanhóis foram um sétimo e um quarto lugares.

O vencedor da perna foi o Dongfeng Race Team, de bandeira chinesa, que chegou na segunda-feira (26), após 23 dias de regata entre os Emirados Árabes Unidos e a China.

January 27, 2015. MAPFRE and Team Brunel match racing for the fourth place until the finish line in Sanya, after 23 days of sailing.
January 27, 2015. MAPFRE and Team Brunel match racing for the fourth place until the finish line in Sanya, after 23 days of sailing.

Completaram o pódio Abu Dhabi Ocean Racing (Emirados Árabes Unidos) e Team Alvimedica (Turquia/EUA). O MAPFRE (Espanha) foi o quarto e o Team Brunel (Holanda) o quinto. A diferença do segundo ao quinto foi inferior a duas horas. O Team SCA (Suécia), equipe 100% feminina, terminará a prova ainda nesta terça-feira.

O único velejador brasileiro na Volvo Ocean Race valorizou o fato de o MAPFRE ter segurado a pressão do Team Brunel (Holanda), quinto colocado. A diferença entre eles foi de 1 minuto e 50 segundos. “Não deixamos os holandeses passar. Eles estão na briga pelo título. Além disso, nós terminamos perto do pódio. Apenas dez milhas do terceiro colocado, o Team Alvimedica. Primeira vez que a gente chega tão perto”, concluiu André ´Bochecha’ Fonseca.

January 19, 2015. Day 16 of Leg 3 to Sanya, onboard MAPFRE. Andre Fonseca and  Anthony Marchand trim the sails while Rob Greenhalgh drives
January 19, 2015. Day 16 of Leg 3 to Sanya, onboard MAPFRE. Andre Fonseca and Anthony Marchand trim the sails while Rob Greenhalgh drives
January 25, 2015. Day 22 of Leg 3 to Sanya, onboard MAPFRE. Andre Fonseca
January 25, 2015. Day 22 of Leg 3 to Sanya, onboard MAPFRE. Andre Fonseca

Em relação à classificação geral, o MAPFRE acabou se distanciando do título, mesmo faltando muita regata. Os espanhóis somam 15 pontos perdidos contra 5 do líder Dongfeng. O segundo colocado no geral é o Abu Dhabi com 6 pontos perdidos.

Fonte: Volvo Ocean Race

Chineses fazem história e vencem pela primeira vez na Volvo Ocean Race

January 27, 2015. Dongfeng Race Team arrives in Sanya in first position, leader of Leg 3 after 23 days of sailing.
January 27, 2015. Dongfeng Race Team arrives in Sanya in first position, leader of Leg 3 after 23 days of sailing.

O Dongfeng Race Team fez a alegria dos fãs chineses ao vencer a terceira etapa da Volvo Ocean Race nesta segunda-feira (26). O barco asiático cruzou a linha de chegada no fim da noite (Horário de Brasília) e foi recebido pelos seus torcedores, que lotaram a Vila da Regata em Sanya. O barco chinês, comandado pelo francês Charles Caudrelier, também fez história ao ser o único do país a vencer uma perna da Volta ao Mundo. O resultado também coloca o time na liderança do campeonato com apenas 5 pontos perdidos. “Foi a etapa mais estressante que já participei em toda minha vida, mas o resultado foi fantástico”, disse Charles Caudrelier. “A passagem pelo Estreito de Malaca foi o ponto mais difícil da perna”.

A equipe completou a regata de 4.642 milhas náuticas em 23 dias, 13 horas, 31 minutos e 38 segundos. O barco Dongfeng também ficou na liderança por 22 dias, ou seja, quase que a etapa entre Abu Dhabi e Sanya completa.

January 27, 2015. Dongfeng Race Team arrives in Sanya in first position, leader of Leg 3 after 23 days of sailing.
January 27, 2015. Dongfeng Race Team arrives in Sanya in first position, leader of Leg 3 after 23 days of sailing.
January 27, 2015. Dongfeng Race Team arrives to Sanya in first position, leader of Leg 3 after 23 days of sailing.
January 27, 2015. Dongfeng Race Team arrives to Sanya in first position, leader of Leg 3 after 23 days of sailing.

A façanha histórica mostra a evolução na vela chinesa. O Dongfeng Race Team é o terceiro barco do país na regata, após as campanhas do Green Dragon e Team Sanya, em 2008-09 e 2011-12, respectivamente. Além de ter um veleiro, os chineses contam com seis tripulantes do país a bordo. “É um projeto a longo prazo”, concluiu Charles Caudrelier, que não deixou de elogiar o desempenho de seus colegas de equipe.

January 27, 2015. Dongfeng Race Team arrives to Sanya in first position, leader of Leg 3 after 23 days of sailing. The team is welcomed in the pontoon.
January 27, 2015. Dongfeng Race Team arrives to Sanya in first position, leader of Leg 3 after 23 days of sailing. The team is welcomed in the pontoon.

Os próximos barcos a cruzar a linha de chagada em Sanya, já na terça-feira (27), serão Abu Dhabi, Team Alvimedica, MAPFRE e Team Brunel.

Fonte: Volvo Ocean Race

Primeiros veleiros confirmam presença no Circuito de Floripa

floripa

O XXVI Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina, que esse ano terá o retorno da Mitsubishi como patrocinadora do evento, começa a confirmar os primeiros veleiros de outros estados na principal semana náutica de Santa Catarina. A Escola Naval, do Rio de Janeiro, será representada pelos veleiros Dourado, Marlim e Bujipirá, todos inscritos na classe ORC, na competição que acontece entre os dias 4 e 7 de fevereiro, na raia de Jurerê.

As tripulações das equipes da Escola Naval são compostas sempre por aspirantes. “Todos que desejam fazer parte do Grêmio de Vela da Escola Naval são submetidos a uma seletiva em seu 1º ano escolar, onde são testadas suas habilidades e a vontade de aprender a velejar e, se aprovado pela tripulação das demais turmas, os novos Aspirantes já começam a tripular os veleiros em regatas”, explica Lucas Tordino, Comodoro do Grêmio de Vela da Escola Naval.

As competições nacionais têm grande importância para a evolução dos jovens aspirantes e são uma constante na história da Escola Naval. “O registro mais antigo que achei de participação da Escola Naval foi em 1984, no III Circuito Oceânico de Santa Catarina”, comenta Lucas Tordino.

Mesmo com uma equipe com menos experiência do que as demais tripulações, as equipes da Escola Naval virão a Santa Catarina com boas perspectivas: “Nossas tripulações têm alta rotatividade, onde todo ano saem tripulantes de uma turma mais experiente e entram tripulantes mais novos. Nossas expectativas de alcançar um bom resultado são sempre muito altas. Sempre vamos para a água buscando fazer nosso melhor”, encerrou o Comodoro do Grêmio de Vela da Escola Naval.

Quem também confirmou presença no XXVI Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina foi o catarinense Absoluto, do comandante Pedro Prosdócimo. Assim como os velejadores da Escola Naval, a equipe está bastante motivada para a competição no início de fevereiro.

“Como sempre, o Circuito Oceânico é um dos melhores campeonatos de Vela de Oceano da América do Sul. Acho que participei pela primeira vez na década de 80 e depois disso, sempre que possível, estamos firmes. Acredito que nós teremos muitos barcos de fora, que devem engrandecer e elevar o nível da competição, por isso acho que este ano teremos bastante dificuldades, mas vamos lutar para estar no pódio, como tem sido nos últimos anos”, revela o comandante Pedro Prosdócimo.

Inscrições:
As inscrições para o XXVI Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina já estão abertas. Para mais informações basta entrar em contato com a Secretaria de Eventos Náuticos do Iate Clube de Santa Catarina através do email  eventosnauticos@icsc.com.br ou no (48) 3225-7799 com Lucas ou Fogaça.

Fonte: ABVO

Circuito Salvador reúne 18 barcos na baía de Todos os Santos

salvador

Terminou neste final de semana o Circuito Salvador de Oceano. O evento, que teve como sede o Iate Club da Bahia, reuniu 18 barcos nas classes IRC, RGS, MOCRA, HPE 25, Aberta e Mini. Foram disputadas quatro regatas, com percursos médios e longos. O resultado final foi o seguinte:

IRC:

  1. Angela Star VI
  2.  Ventaneiro 3
  3. Marujo’s

RGS:

  1.     Alpha II
  2.     Dracon I
  3.     Kiri Murê

MOCRA:

  1.     Odara
  2.     Pick Nick
  3.     Triskel

HPE 25:

  1.     Fuguinha
  2.     Blitz

Aberta:

  1.     Mahalo

Mini:

  1. V-max 5

Fonte: ABVO


IRC

Classe IRC é a que mais cresce na Bahia

A Classe IRC chegou no Brasil há pouco tempo, mas já tem se mostrado um sucesso. Só em 2014, 68 barcos foram medidos na regra e a previsão é de que este número aumente em 2015. E na Bahia a IRC é a classe que mais vem crescendo. O maior exemplo disso foi o Circuito Salvador, disputado entre os dias 16 e 18 de janeiro no Iate Club da Bahia. A classe foi a mais numerosa, com oito barcos.

“A aceitação da IRC na Bahia foi surpreendente. É claro que, como Diretor da ABVO na Bahia, tinha como meta a implantação da IRC no nosso estado, mas imaginava que isso se daria em um processo longo e gradativo. Contudo, assim que anunciamos que mediríamos os primeiros barcos, conseguimos reunir 10 comandantes interessados e que foram medidos no início de janeiro. Além destes, mais três barcos já sinalizaram que irão medir e então já estamos programando uma nova rodada”, disse Luis Eduardo Pato.

Através do diretor da IRC Pierre Joullie e com apoio da ABVO, os certificados puderam ser emitidos na França antes do Circuito Salvador.

“Eu gostaria de ver na IRC os caras que estão na RGS e os ex-ORC, que não são tão profissionais como os que estão ganhando na ORC hoje em dia. A regra tem uma medição simples, justa, na qual você pesa o barco, e é possível agradar a gregos e troianos!”, disse Pierre Joullie

Para se inscrever na classe, basta acessar o site da ABVO (http://bit.ly/146I1h7) na parte de associados, preencher todos os dados e realizar o pagamento. Posteriormente deve ser feito o agendamento para que o barco seja medido. Depois disso é só colocar o barco na água e começar a velejar!

Fonte: ABVO

Tiago Quevedo levou o Brasil ao pódio da Mussanah Race em Oman

TiagoArabia1

Tiago Quevedo fez bonito na Arábia ao ficar em quarto lugar na Mussanah Race Week da classe Optimist, que terminou neste sábado em Oman. E não poderia ter fechado a sua participação de melhor maneira ao vencer a décima regata da flotilha ouro que teve 55 competidores. O velejador gaúcho, único representante brasileiro no evento, confirmou mais uma vez o seu talento na classe Optimist.

TiagoArabia2

Resultados completos

Fonte: VDS

 

Copa do Mundo de Vela em Miami é primeiro desafio de Robert Scheidt em 2015

Scheidt estreia em Miami | Foto: Thom Touw
Scheidt estreia em Miami | Foto: Thom Touw

Competição reúne os melhores velejadores do mundo, em campanha olímpica, a partir desta segunda-feira (26) em Biscayne Bay

São Paulo – Robert Scheidt volta à água nesta segunda-feira (26) para sua estreia na temporada 2015. Primeiro grande teste do ano pré-olímpico, a etapa de Miami da Copa do Mundo de Vela reunirá mais de 800 velejadores de 63 países, em dez classes olímpicas e três paralímpicas, na raia de Biscayne Bay, na Flórida. A Laser tem a flotilha mais numerosa, com 120 barcos e alguns dos mais fortes adversários de Scheidt, como o australiano Tom Burton, o croata Tonci Stipanovic e o também brasileiro Bruno Fontes.

“O nível está altíssimo, como devem ser todas as principais competições deste ano, um ano chave, com seletivas para formação das equipes olímpicas em cada país. O clima será sempre de mundial, a partir de agora. O Tom Burton está de volta, o Tonci Stipanovic também. Os holandeses vêm Robert Scheidt muito fortes, como o Rutger Van Schaardenburg, e o Bruno Fontes está em ótima fase”, lembra Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star.

Primeiro grande teste do ano | Foto: Fred Hoffmann
Primeiro grande teste do ano | Foto: Fred Hoffmann

Vice-campeão da etapa de Miami da Copa do Mundo em 2014, após uma disputa acirrada com o Robert Scheidtcroata Stipanovic, o vencedor, Scheidt já vem treinando na raia de Biscayne Bay há uma semana. “Houve problemas com a chegada dos barcos da Europa. O meu atrasou e tive de treinar até sábado (24) com um barco alugado. Mas o equipamento chegou a tempo para a competição”, conta o brasileiro, patrocinado por Banco do Brasil, Rolex, Deloitte e Audi, com os apoios de COB e CBVela. O barco de Robert estava na Itália, onde o velejador reside. “Estou muito animado para o primeiro evento do ano e confiante em um bom desempenho. O mais importante será não cometer erros na primeira fase e manter a regularidade.”

A competição em Biscayne Bay segue o formato dos eventos olímpicos, com dez regatas para a classe Laser, divididas entre as fases classificatória e final, e descarte do pior resultado. Os dez melhores velejadores disputam o título no sábado (31), na medal race, valendo pontos dobrados.

Calendário 2015

26 a 31/1 – segunda etapa da Copa do Mundo de Vela, Miami (EUA)
30/3 a 04/4 – Trofeo Princesa Sofía, Mallorca (ESP)
12 a 17/5 – Semana Olímpica de Garda (ITA)
29/6 a 08/7 – Mundial de Laser, Kingston (CAN)
12 a 19/7 – Jogos Pan-Americanos de Toronto (CAN)
05 a 22/8 – Evento-Teste para os Jogos do Rio/2016, Rio de Janeiro (BRA)
05 a 15/12 – Copa Brasil, Rio de Janeiro (BRA)

Maior atleta olímpico brasileiro

Laser
Onze títulos mundiais – 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
Três medalhas olímpicas – ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
Três títulos mundiais – 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
Duas medalhas olímpicas – prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012

Mais informações em www.robertscheidt.com.br

Twitter: @robert_scheidt
Facebook: Robert Scheidt

Local da Comunicação – Juliana Leite (MTB 49.580)
E-mail: juliana@localcom.com.br
Tels: Juliana (11) 3263-0683 e (11) 98457-9704