Regata Neptunus alcança 24ª edição, encerra calendário nacional da Vela Oceânica e homenageia um dos maiores nomes do esporte no país

Evento acontece no dia 16 de dezembro com largada da Escola Naval no Rio de Janeiro com expectativa de receber 30 barcos e cerca de 200 velejadores

Já tradicional no calendário nacional, a Regata Neptunus está confirmada para o domingo, dia 16 de dezembro, para sua 24ª edição que irá encerrar a temporada de Vela Oceânica no Brasil, definir os campeões nacionais de 2018 da Associação Brasileira de Veleiros do Oceano, a ABVO, e também homenagear Sérgio Mirsky, um dos maiores nomes do esporte do Brasil.

sbnews-foto-20181206-09
Neptunus 1, o primeiro barco de Sérgio Mirsky, o homenageado da Regata Neptunus – Crédito: Arquivo Pessoal

A competição terá largada nas proximidades da Escola Naval a partir das 13h com percurso nas águas da Baía de Guanabara e ilhas próximas ao litoral do Rio; a expectativa é receber em torno dos 30 barcos e mais de 200 velejadores divididos nas categorias ORC (Offshore Racing Council), IRC (International Rating Certificate), RGS e Cruzeiro. As inscrições estão em andamento e podem ser feitas pelo email vela@icrj.com.br .

A competição foi criada em 1995 para homenagear Sérgio Mirsky, um dos maiores velejadores da história do Brasil. Mirsky é o detentor do maior número de milhas nevagadas em regatas pelo Brasil possuindo o expressivo número de 28 fitas azuis (de primeiro lugar) com 35 participações na tradicional Regata Santos-Rio. Foi pioneiro ao trazer barco de fibra de vidro ao país em 1968.

“A Regata tem o nome Neptunus pois homenageia meu pai que velejou sempre em barcos nomeados Neptunus, I, II, III, IV, V e por aí vai, é um barco que brilhou durante 60 anos na América do Sul, correu todas as regatas na época, fez Buenos Aires-Rio de Janeiro, Salvador-Rio, Recife-Noronha, e ele era obcecado pela Fita Azul para cruzar a linha em primeiro lugar. Participava de todas as regatas e isso criou um mito por ser o atleta mais assíduo no esporte e isso gerou força para a vela principalmente na década de 70, 80. Foi um exemplo de velejador, comandante. E eu nasci nesse ambiente, velejo desde os 25 dias de nascido, virei profissional da Vela”, aponta o filho André Mirsky, que detém três vice-campeonatos Mundiais de Vela Oceânica, títulos do Campeonato Italiano, da travessia do Mar Egeu, participou da Volvo Ocean Race em 2005 no barco Brasil I.

sbnews-foto-20181206-10
Barco Maestrale, um dos favoritos ao título – Crédito: José Olimpio

“Em 1995 o Iate Clube do Rio de Janeiro quis fazer uma homenagem ao Sérgio ainda em vida e passaram a organizar a Neptunus. É o fechamento do ano, de dois anos para cá a ABVO colocou a etapa como fechamento do ano no ranking nacional e isso me deixa muito orgulhoso. Quando ele faleceu (em 2005) ficamos muito tristes pois ele patrocinava e ajudava na regata. Muitos grandes velejadores às vezes só aparecem no dia para participar da regata, colocar a camisa do Neptunus em homenagem a ele. Então é um final de semana festivo, mas com muita competição, muitos barcos na raia e estamos muito orgulhosos com o crescimento dela”, finalizou André que participará no barco Neptunus HP na categoria IRC.

A competição já tem presenças confirmadas de barcos do Rio de Janeiro e Niterói como Ângela de Peter Siemsen, Sorsa de Celso Quintella, Maximus do Comandante Ralph Rosa, Duma de Haakon Lorentzen, Maestrale do Almirante Casaes defendendo seu titulo.

A 24ª Regata Neptunus terá a forte disputa pelo vice-campeonato nacional da Copa Brasil ABVO, da classe ORC, entre o e Maestrale e Santa Fé com distância de apenas três pontos entre ambos. O líder com o título nacional praticamente garantido é o Bravíssimo 4, de Luciano Sechin. “A Regata Neptunus será a última do calendário nacional e carioca e válida para o Estadual da Regra ORC. No estadual o Maestrale lidera por apenas 3 pontos de vantagem sobre o veleiro Santa Fé. O Maestrale já foi Campeão Estadual por três vezes e tentará levantar esse caneco pela quarta vez. Esperamos bastante barcos na Neptunus, na casa de três dezenas, mais de 200 velejadores, mas a diferença que o Bravíssimo conseguiu abrir na Copa Brasil dificilmente será superada com apenas mais esta regata. Assim, na regra ORC a principal disputa está pelo vice campeonato entre o Maestrale LogSub MAPMA e o Crioula de Eduardo Plass”, declarou o Comodoro da Associação Brasileira de Veleiros do Oceano, Adalberto Casaes, que também é comandante do Maestrale: “Na categoria IRC, Rudá, com Mário Martinez, já se tornou campeão nacional. Na BRA RGS a disputa permanece aberta entre os três primeiros colocados: Zeus, Sargaço, e Dorf.”

A 24ª Regata Neptunus tem a organização do Iate Clube do Rio de Janeiro e é apoiada pela ABVO.

sbnews-foto-20181206-12

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s