Copa Vela Master Brasil levará 60 barcos à Guarapiranga neste fim de semana + AR

Competição será disputada em 29 e 30 de setembro pelas classes Laser, Snipe e Finn com velejadores de até 80 anos de idade

São Paulo (SP) – A Represa Guarapiranga receberá neste fim de semana (29 e 30) os mais ilustres velejadores das classes Snipe, Laser e Finn, muitos deles responsáveis pela história da vela paulistana. A Copa Vela Master Brasil reunirá mais de 60 barcos com tripulantes a partir de 35 anos. A competição será válida pelo Campeonato Paulista Máster das três classes e também pela 6ª Etapa do Circuito Vela Máster Brasil de Laser.

sbnews-foto-20180928-06
Largada na Guarapiranga (Douglas Moreira / Fisheye Image)

Até quinta-feira (27) estavam inscritos 27 barcos da Classe Laser, 22 da Snipe e 8 da Finn, totalizando 57 embarcações. A Laser estará dividida em Standard e Radial. Na Snipe, as idades do timoneiro e do proeiro têm de somar no mínimo 80 anos. A principal característica da Copa Vela Master Brasil é oferecer aos velejadores condições que respeitem suas faixas etárias conforme suas necessidades, promovendo uma disputa em condições de igualdade e em clima de confraternização.        

Aos 75 anos, Albert Lisbona, assíduo velejador de Laser nas regatas da Guarapiranga, comemora a realização do evento. “Fico animado com a organização de um torneio específico para a categoria máster. É muito bom competir com amigos da mesma idade. Velejo desde os 45 anos e já passei por vários barcos. Optei pela Laser Radial há dez anos porque não dependo de outro tripulante e meu peso (62 kg) é ideal para o barco”. Além da vela, Lisbona rema três vezes por semana na raia olímpica da USP, ou na própria represa, e adota a bicicleta como esporte fora da água.

sbnews-foto-20180928-07
Dupla mista na Snipe (Douglas Moreira / Fisheye Image)

Outro entusiasta da vela é Luiz Borba (56), da classe Snipe. Seu parceiro de regatas é Leonardo Lorenzi, de 15 anos, mas na Copa Vela Master Brasil terá Thomaz Ferraz como proeiro devido ao regulamento da soma das idades. Estou ansioso para conferir meu desempenho. A Snipe é muito versátil e permite várias combinações. Será um campeonato parelho”, prevê Borba.

Atento aos movimentos da vela, Borba considera a categoria máster como uma evolução da modalidade no Brasil. “A propagação de eventos máster no esporte é uma tendência internacional. No Mundial Master de Finn deste ano na Itália, foram mais de 300 barcos. Vamos fazer um grande campeonato na Guarapiranga, com participação maciça da flotilha da represa. Será também um ótimo treino para o Paulista de Snipe, em novembro”, destaca o velejador do Yacht Club Paulista.

Com menos barcos na raia, porém, não menos efetiva, a Classe Finn, também olímpica, estará presente na Copa Vela Master Brasil com seus experientes velejadores. “A vela permite que o atleta siga competindo até 80 anos ou mais. Com 40 ou 50 anos, o velejador ainda é muito competitivo, às vezes até mais do que os jovens devido à experiência. Em São Paulo, todos os velejadores da classe, exceção ao Jorginho (Zarif), são da categoria máster”, lembra Ricardo Santos, velejador de Finn do Yacht Club Santo Amaro.       

sbnews-foto-20180928-08
Classes Finn e Snipe na boia (Douglas Moreira / Fisheye Image)

Vela & Jazz – Estão previstas quatro regatas, duas por dia, com largadas a partir das 13h no sábado e das 12h no domingo, sem descarte. A organização é da Fevesp – Federação de Vela do Estado de São Paulo e do YCP – Yacht Club Paulista, com apoio do YCSA – Yacht Club Santo Amaro. A previsão para o fim de semana é de ventos entre 6 e 8 nós de sueste a leste nas tardes de sábado e de domingo.

Conforme padrão adotado pelos principais eventos da categoria máster, o Yacht Club Paulista irá unir após as regatas de sábado, o melhor da vela ao melhor do jazz. O Trio Estônia se apresentará aos velejadores no Pub YCP das 17h às 19h, ratificando o clima de confraternização e fair play que se espera nas grandes competições e dos esportistas conscientes.  

O Grupo Vela Master Brasil foi idealizado pelo velejador olímpico Manfred Kaufmann Jr, o Fips, representante brasileiro da Classe Flying Dutchman nos Jogos de Moscou, em 1980. A iniciativa de manter os velejadores veteranos competindo em alto nível, teve inspiração na experiência vivenciada por Kaufmann no World Master Games em abril de 2017 na Nova Zelândia, com 200 participantes na Classe Laser.

Acesse o Aviso de Regata: Link para o AR ou master-ar-copa-vela-master-brasil

sbnews-foto-20180928-10

Divisões da categoria máster  

Classe Laser STD

AM – Aprendiz de Master: 34 – 44 anos

M – Master: 45 – 54 anos

GM – Grand Master: 55 – 64 anos

GGM – Great Grand Master: 65 – 74 anos

Classe Laser RAD

AM – Aprendiz de Master: 34 – 44 anos

M – Master: 45 – 54 anos

GM – Grand Master: 55 – 64 anos

GGM – Great Grand Master: 65 – 74 anos

75 anos ou mais  

sbnews-foto-20180928-09
Estilo na categoria máster (Paulo Fonseca / YCP)

Classe Snipe

AM – Aprendiz de Master: 45 – 54 anos*

M – Master: 55 – 64 anos*

GM – Grand Master: 65 – 74 anos*

ML – Master Legend: acima de 75 anos* 

(* idade do timoneiro; a soma das idades dos tripulantes deve totalizar no mínimo 80 anos) 

Classe Finn

M – Master: 40 – 49 anos

GM – Grand Master: 50 – 59 anos

GGM – Grand Grand Master: 60 – 69 anos

L – Legend: 70 – 79 anos

SL – Super Legend: acima de 80 anos     

 

Ary Pereira Jr – ary70jr@hotmail.com
MTb: 23.297 / (11) 9 9275-7044
  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s