Volvo Ocean Race: Barcos pagam pedágio caro nos mares do sul

As sete equipes que disputam a sétima etapa já começam a sofrer os efeitos dos ventos fortes e ondas gigantes no gelado oceano sul. Condições devem ficar piores neste fim de semana, quando a perna até o Brasil completa uma semana de navegação

Sam Greenfield/Volvo Ocean Race

Os velejadores que disputam a sétima etapa da Volvo Ocean Race começam a sentir na pela as dificuldades dos mares do sul. Com ventos acima de 30 nós, rajadas de 40 e ondas de 5 metros, as condições de navegação começam a ficar complicadas.

A perna entre Auckland (Nova Zelândia) e Itajaí (Brasil) vai completar uma semana na noite deste sábado (24). Ao todo são 7.600 milhas náuticas até Santa Catarina e os barcos já percorreram mais de 40% do percurso impulsionado por fortes rajadas.

A liderança segue dividida entre MAPFRE e Turn the Tide On Plastic. As duas equipes estão navegando no limite da zona de exclusão de gelo, que oferece menos milhas pra andar, porém mais desgaste.

”Temos alguns pequenos danos no mastro”, escreveu o campeão olímpico Xabi Fernández (MAPFRE) em um email para o Race Control neste sábado pela manhã. “Fizemos uma correção temporária e continuamos correndo”.

O navegador espanhol Juan Vila acrescentou: ”Agora temos que equilibrar o esforço para evitar problemas maiores. Deveremos saber quando tirar o pé do acelerador”.

Ugo Fonolla/Volvo Ocean Race

O outro grupo, que inclui Dongfeng Race Team, Team Brunel, AkzoNoBel (da brasileira Martine Grael) e Vestas 11th Hour Racing, está um pouco mais acima. 

”Temos 35 a 40 nós de ventos e ondas grandes lá fora”, disse o holandês Bouwe Bekking, comandante do Team Brunel. ”Por um lado, a navegação é muito divertida, mas, por outro lado, é bem casca grossa, pois você sabe que, se fizer algo errado, pode dar muito errado! Então temos sempre que encontrar o equilíbrio”.

Apenas o Sun Hung Kai / Scallywag está mais de 100 milhas náuticas atrás dos adversários. O barco teve um problema em uma das polias que suporta o mastro.

”Estávamos virando de cabeça para baixo na Zona de Exclusão do Gelo e a polia teve problemas”, explicou o australiano David Witt, comandante do Scallywag. ”Nós tivemos sorte, pois poderia ter quebrado e perdido o mastro. Então tivemos dar uma solução. Agora estamos 110 milhas atrás”.

As equipes estão progredindo rapidamente em direção ao Cabo Horn, empurradas pelos fortes ventos de oeste que estão por trás deles. 

A etapa vale pontuação dobrada e o primeiro barco a contornar o Cabo Horn leva um ponto de bônus.

 

Saiba tudo que está ocorrendo na regata em www.volvooceanrace.com ou nas nossas mídias sociais @volvooceanrace

Os fãs também podem ler as novidades da prova no Twitter com @RaceExperts (em inglês)

O aplicativo da Volvo Ocean Race está disponível para iOS e Android.

 

Maiores informações:

Flavio Perez – Relações com a Mídia em Português
flavio.perez@volvooceanrace.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s