Classic Boat Festival resgata história da náutica no País

 

Público no Classic Boat (Paola Lorenzi / YCP )

Pelo terceiro ano consecutivo, evento organizado pelo Yacht Club Paulista emociona os amantes da náutica na Represa Guarapiranga

São Paulo (SP) – O Yacht Club Paulista (YCP) proporcionou momento marcante para associados e visitantes da terceira edição do Classic Boat Festival. As 45 embarcações expostas à margem da Represa Guarapiranga, na água e nas vagas secas, levaram os amantes da náutica a viajar no tempo, mais especificamente nas décadas de 1950, 60 e 70, ao contemplarem modelos raros e impecáveis que marcaram época.

Lancha clássica no YCP (Paola Lorenzi / YCP )

Entre os barcos antigos que mais encantaram o público neste fim de semana (27 e 28), vale destacar as lanchas Nikita, uma Runabout de 1948, e Annita, impecável réplica da italiana Riva, e também o hidroplano Miss Biela entre outros. Além da exposição, o público acompanhou no píer do YCP a partida dos barcos para a charmosa Parada Clássica ao redor da represa, com famílias a bordo formadas por várias gerações.

Nikita, fabricada em 1948 (Paola Lorenzi / YCP )

A exemplo do Classic Sailing Festival dedicado à memória da vela em 2016, o Classic Boat deste ano reforçou a tradição do YCP em respeitar e reverenciar a náutica no País. “Para fazermos o novo, precisamos valorizar o clássico e para criarmos é necessário resgatarmos a história. Os jovens que manterão nossas tradições precisam ter acesso a essas informações”, ressaltou o Comodoro do YCP, José Agostini Roxo. “Temos que manter o clube vivo”.

Painel da Riva, Annita (Paola Lorenzi / YCP )

A velocidade da motonáutica atraiu a atenção dos convidados com as aceleradas do hidroplano Miss Biela, de 1969, ao largo do clube. Ao retornar à terra e retirar o capacete, o piloto Roberto Keller contou a história do barco. “Foi fabricado por Maurício Assumpção, apaixonado por motonáutica e criador do Salão do Automóvel. O nome Miss Biela é uma homenagem à cadela boxer que eu tinha na época. Cresci vendo meu pai, Daniel, pilotar e correr. Ele foi associado do YCP e campeão brasileiro de motonáutica”.

Hidroplano Miss Biela (Paola Lorenzi / YCP )

Nos tempos da água potável – Em meio ao ambiente festivo e repleto de romantismo, o comodoro Roxo homenageou Eurico Sodré, fundador do YCP em 1932 e associado número um. Uma placa foi entregue a Eurico de Azevedo Sodré Neto, herdeiro da carteira social “Nº 1”. O outro avô de Eurico, Alípio Borba, era engenheiro e fez curso nos EUA especialmente para projetar a barragem da Guarapiranga que ajudou a dar forma à represa.

“Eu nasci aqui. Vínhamos nos fins de semana para a represa, que era só mato. Para se ter ideia, a água era potável. Velejadores e remadores costumavam beber a água da própria represa in natura nos intervalos das regatas. Tive aulas de vela com Joerg Bruder (um dos maiores velejadores do País e ilustre atleta do YCP, tricampeão mundial de Finn)”, orgulha-se Eurico Neto, que velejava na classe Universitário, barco semelhante ao atual Optimist.

Ary Pereira Jr – ary70jr@hotmail.com

MTb: 23.297 / (11) 9 9275-7044

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s